Roteamento entre VRFs com MP-BGP

A utilização de VRFs (Virtual Routing and Forwarding) em Roteadores permite a criação de tabelas de roteamento virtuais que trabalham de forma independente da tabela de roteamento “normal”, protegendo os processos de roteamento de cada cliente de forma individual.

Empresas que prestam serviços de gerenciamento de rede ou monitoração, empresas que vendem serviços em Data Center e provedores de serviço utilizam largamente VRFs, otimizando assim a administração e o retorno financeiro no total do custo de um projeto.

A configuração de VRFs é bem simples e há um artigo aqui do blog que pode ser consultado  aqui .

Já o Roteamento entre VRFs ocorre quando há a necessidade de comunicarmos diferentes tabelas de roteamento que estão segregadas por VRF, para compartilharem alguns ou todos os prefixos. Há diversas formas de configurarmos o roteamento entre VRFs, como por exemplo com a utilização de um cabo virado para o próprio roteador com as portas em diferente VRFs [apontando assim uma rota para  nexthop da proxima VRF; ou com algum IGP] e também com a utilização de um outro roteador, etc; nesse post explicaremos o roteamento interVRF com o processo MPBGP que é a maneira mais escalável… preparados? Então vamos lá… 😉 Continue reading

RIPng

O RIPng é um protocolo de Roteamento dinâmico, IGP, de vetor de distancia que permite que roteadores troquem informações sobre as suas rotas/prefixos IPv6 dentro do domínio RIPng, utilizando-se da contagem de saltos como custo para cada prefixo (rede).

Assim como no RIP versão 1 e 2 (para IPv4), o RIPng utiliza a contagem de até 15 saltos, conforme os roteadores vão repassando os prefixos para os vizinhos é adicionado o custo 1 ao prefixo declarado em cada Roteador , o 16º salto é considerado inalcançável (infinito). Continue reading

Configuração de rota estática IPv6

Durante o recebimento de pacotes para acessar outras Redes externa a LAN para comunicação entre máquinas IPv6, o roteador efetuará uma consulta na sua tabela de roteamento IPv6 para verificar se existe alguma rota para o destino. Se a rota existir o pacote será encaminhado, senão, o pacote será descartado.

A maior parte dos parâmetros de configuração de rotas estáticas em IPv6 são idênticos ao IPv4. Como por exemplo, rota estática padrão, sumarizada e flutuante. Continue reading

Rota estática flutuante (floating static route)

Uma rota estática flutuante é uma rota com uma distância administrativa maior do que a estabelecida por padrão em Switches e Roteadores. Por exemplo, no IOS da Cisco as rotas estáticas possuem distância administrativa com o valor 1 e o protocolo OSPF com o valor 110, nesse caso pelo fato da menor distância administrativa ser escolhida quando duas rotas idênticas (com a mesma “rede” e “máscara de rede”) são aprendidas de maneiras distintas pelo roteador, o dispositivo escolherá o processo com menor AD ( administative distance/ distancia administrativa). Continue reading

Configurando QinQ

A feature QinQ (802.1Q sobre 802.1Q), conhecido também como Stacked VLAN ou VLAN sobre VLAN, suporta a utilização de duas TAGs 802.1Q no mesmo quadro Ethernet para trafegar uma VLAN dentro de outra VLAN – sem alterar o TAG 802.1Q original.

No caso do QinQ(802.1ad), a visão do o cliente é como se a Operadora tivesse estendido um cabo (como uma fibra apagada ou cabo UTP) entre 2 equipamentos, Switches por exemplo. Continue reading