IKE Fase 1: Resumo

Quando você está tentando fazer a uma conexão segura entre 2 hosts através da Internet, um caminho seguro deverá ser estabelecido, como por exemplo, por uma conexão VPN IPSec. Além dos mecanismos de autenticação e validação da informação a VPN IPSec necessita de um mecanismo eficiente de gestão de chaves.

O processo de gestão de chaves diz respeito à criação, eliminação e alteração das chaves. A implementação de uma solução VPN IPSec  utliza-se de um processo de criptografia que envolve uma periódica troca de chaves, embora o IPSec não integre um mecanismo de gestão de chaves, o IETF definiu como norma de gestão o protocolo híbrido ISAKMP/Oakley também denominado IKE, Internet Key Exchange para autenticar os dispositivos e  gerar as chaves criptografadas. O protocolo IKE utiliza o termo security association (SA), que é um acordo entre os equipamentos pares para troca de tráfego IPSec utilizando os requerimentos necessários para estabelecer as proteções aplicadas em uma conexão. Continue reading

Vídeo: arpspoof com SSLStrip

Os ataques à rede local do tipo man-in-the-middle, ou comumente conhecido como MITM, permitem ao atacante posicionar-se no meio da comunicação entre duas partes. Este ataque é útil para conduzir outros ataques, como sniffing (captura das informações) e session hijacking (sequestro de sessão).

A ferramenta arpspoof falsifica mensagems ARP reply com o intuido de direcionar o tráfego da máquina alvo para a máquina do atacante.

A ferramenta SSLStrip, escrita por Moxie Marlinspike, é bastante utilizada em um ataque man-in-the-middle para SSL Hijacking. O SSLStrip fecha uma sessão HTTP com a vítima e uma sessão HTTPS com a página web, capturando assim as informações que deveriam ser criptografadas.

até!

Netflow

NetFlow é uma tecnologia desenvolvida pela Cisco e  já vem integrada ao IOS de seus equipamentos permitindo a coleta de informações e estatísticas do tráfego de uma rede.

Ao invés de apenas contar os pacotes, o NetFlow considera esses pacotes como parte de um fluxo, monitorando o  inicio, meio e fim. Podemos definir um fluxo como uma sequencia unidirecional de pacotes que possuem características comuns entre a origem e o destino. Continue reading

Sniffers e Análise de pacotes na rede cabeada

Os sniffers são ferramentas que permitem capturar e scanear o trafego da rede, possibilitando ao administrador reunir informações, monitorar o uso de protocolos que não deveriam trafegar na rede e enfrentar de forma objetiva questões que afetam o desempenho de serviços.

A análise dos pacotes capturados permite o levantamento de questões como: “o tráfego da rede está normal”? “Existe alguma flag TCP não usual”? Continue reading

MITM com arpspoof, thc-ipv6 e SSLStrip

Os ataques à rede local do tipo man-in-the-middle, ou comumente conhecido como MITM, permitem ao atacante posicionar-se no meio da comunicação entre duas partes. Este ataque é útil para conduzir outros ataques, como sniffing(captura das informações) e session hijacking (sequestro de sessão).

Em um ataque MITM, a vítima não percebe a interceptação do tráfego e isso permite ao atacante a leitura e captura do tráfego entre as duas vítimas como também a alteração da informação para os fins de objetivo do ataque, sem a interrupção da comunicação do ponto de vista da vítima. Continue reading

RADIUS Change of Authorization (CoA)

Em uma implantação tradicional com AAA utilizando RADIUS, após a autenticação, o Servidor RADIUS apenas assina a autorização como resultado de uma requisição de autenticação.

No entanto, existem muitos casos em que é desejável que hajam alterações sem a exigência do NAS para iniciar a troca de mensagens. Por exemplo, pode haver a necessidade de um administrador da rede ser capaz de encerrar a ‘sessão’ de uma porta autenticada com 802.1x.

Alternativamente, se o usuário alterar o nível de autorização, isto pode exigir que novos atributos de autorização sejam adicionados ou excluídos para o usuário. Continue reading