OSPF – Tipos de LSA’s (Summary LSA – Tipo 4 – ASBR)

Todos os Roteadores de uma área OSPF possuem a visão completa dos links daquela área e a partir dessa visão calculam individualmente qual o melhor caminho para determinado destino.

Para a formação da tabela dos links, chamado de LSDB, o OSPF baseia-se nos LSA’s (Link State Advertisements) para transmitir informações para os Roteadores Vizinhos. Os principais tipos de LSA’s são:

Tipo 1 – Representa um Roteador
Tipo 2 – Representa o DR
Tipo 3 – Representam os links de outra Area OSPF declarados por um ABR
Tipo 4 – Representa um ASBR (Autonomous System Border Router)
Tipo 5 – Representa uma rota externa ao domínio OSPF
Tipo 7 – Usado em áreas NSSA.

OSPF – LSA Tipo 4 (Summary LSA – ASBR)

Os LSA’s do tipo 4 são gerados pelos Roteadores ABR (Area Border Router), informando o Router ID e o custo para o Roteador ASBR fora da área. Continue reading

Custo OSPF

O protocolo OSPF permite a todos roteadores em uma área ter a visão completa da topologia. O protocolo possibilita assim a decisão do caminho mais curto baseado no custo que é atribuído a cada interface, com o algoritmo Dijkstra. O custo de uma rota é a soma dos custos de todas as interfaces de saída para um destino. Por padrão, os roteadores calculam o custo OSPF baseado na fórmula Cost =Reference bandwidth value / Link bandwidth. Continue reading

Roteamento entre VRFs com MP-BGP

A utilização de VRFs (Virtual Routing and Forwarding) em Roteadores permite a criação de tabelas de roteamento virtuais que trabalham de forma independente da tabela de roteamento “normal”, protegendo os processos de roteamento de cada cliente de forma individual.

Empresas que prestam serviços de gerenciamento de rede ou monitoração, empresas que vendem serviços em Data Center e provedores de serviço utilizam largamente VRFs, otimizando assim a administração e o retorno financeiro no total do custo de um projeto.

A configuração de VRFs é bem simples e há um artigo aqui do blog que pode ser consultado  aqui .

Já o Roteamento entre VRFs ocorre quando há a necessidade de comunicarmos diferentes tabelas de roteamento que estão segregadas por VRF, para compartilharem alguns ou todos os prefixos. Há diversas formas de configurarmos o roteamento entre VRFs, como por exemplo com a utilização de um cabo virado para o próprio roteador com as portas em diferente VRFs [apontando assim uma rota para  nexthop da proxima VRF; ou com algum IGP] e também com a utilização de um outro roteador, etc; nesse post explicaremos o roteamento interVRF com o processo MPBGP que é a maneira mais escalável… preparados? Então vamos lá… 😉 Continue reading

RIPng

O RIPng é um protocolo de Roteamento dinâmico, IGP, de vetor de distancia que permite que roteadores troquem informações sobre as suas rotas/prefixos IPv6 dentro do domínio RIPng, utilizando-se da contagem de saltos como custo para cada prefixo (rede).

Assim como no RIP versão 1 e 2 (para IPv4), o RIPng utiliza a contagem de até 15 saltos, conforme os roteadores vão repassando os prefixos para os vizinhos é adicionado o custo 1 ao prefixo declarado em cada Roteador , o 16º salto é considerado inalcançável (infinito). Continue reading

BGP – Mandatory Well-Known (Path Attributes)

O Protocolo BGP utiliza diversos parâmetros para escolha de melhor rota quando há diversos caminhos para o mesmo destino, esses parâmetros são chamados de Path Atributes.

Cada atualização do BGP consiste em uma ou mais sub-redes (prefixos) vinculadas aos seus atributos.

Os Path Atributes são classificados em Well-Known ( bem conhecido ) ou Optional (opcional). Alguns desses atributos são obrigatórios e outros opcionais com validade local na tabela de roteamento, local no AS, etc. Continue reading

MPLS (Multi Protocol Label Switching) – parte 2

Como iniciado no primeiro post, em uma rede com arquitetura MPLS cada roteador da topologia possui uma designação que define a sua posição e atribuição na topologia:

  • CE (Customer Edge Router) – possui a função de prover conectividade para a rede MPLS e é situado na “borda do cliente”. Não encaminha e nem troca labels.
  • PE (Provider Edge Router) – é responsável pela conexão entre uma rede IP (rede do cliente) e a rede MPLS (rede da Operadora/Provider)
  • P (Provider Edge Router) – é responsável pelo encaminhamento de pacotes baseando-se nos labels.

Continue reading

MPLS (Multi Protocol Label Switching)

Apesar de existirem inúmeros sites em português com ótimas referencias de Introdução ao Protocolo MPLS, escreveremos uma serie de artigos com a utilização de MPLS em diversos cenários. Esse post servirá como uma pequena introdução para a descrição e utilização do protocolo com o foco um pouco mais simples na arquitetura e serviços.

O protocolo MPLS (Multi Protocol Label Switching) foi criado para permitir o encapsulamento de diversos protocolos de rede para serem encaminhados por Roteadores baseando-se apenas no endereço do Label ao invés do endereço de rede. A tecnologia é largamente utilizada pelos Provedores de Internet  com diversas topologias de serviços orientado a redes em apenas uma única rede convergida com o MPLS em seu Backbone, permitindo  a utilização de Redes Privadas (VPNs MPLS), Qualidade de Serviço (QoS), Any Transport over MPLS (AToM) e Engenharia de tráfego (MPLS-TE). Continue reading

Endereços IPv4 Multicast

As aplicações multicast utilizam endereços IP multicast que são referenciados como grupos multicast. Diferente de endereços IP unicast, que são atribuídos geralmente para um host, um endereço multicast é utilizado como endereço de destino de um pacote IP. O pacote com endereço IP multicast é transportado pela rede para aplicações especificamente multicast.

Diferente de um endereço unicast, um endereço multicast não é atribuído para um dispositivo de rede. Um endereço de origem no cabeçalho IP de um pacote com destino multicast, deverá ser sempre um endereço unicast. Continue reading