IKE Fase 1: Resumo

Quando você está tentando fazer a uma conexão segura entre 2 hosts através da Internet, um caminho seguro deverá ser estabelecido, como por exemplo, por uma conexão VPN IPSec. Além dos mecanismos de autenticação e validação da informação a VPN IPSec necessita de um mecanismo eficiente de gestão de chaves.

O processo de gestão de chaves diz respeito à criação, eliminação e alteração das chaves. A implementação de uma solução VPN IPSec  utliza-se de um processo de criptografia que envolve uma periódica troca de chaves, embora o IPSec não integre um mecanismo de gestão de chaves, o IETF definiu como norma de gestão o protocolo híbrido ISAKMP/Oakley também denominado IKE, Internet Key Exchange para autenticar os dispositivos e  gerar as chaves criptografadas. O protocolo IKE utiliza o termo security association (SA), que é um acordo entre os equipamentos pares para troca de tráfego IPSec utilizando os requerimentos necessários para estabelecer as proteções aplicadas em uma conexão. Continue reading

Vídeo: arpspoof com SSLStrip

Os ataques à rede local do tipo man-in-the-middle, ou comumente conhecido como MITM, permitem ao atacante posicionar-se no meio da comunicação entre duas partes. Este ataque é útil para conduzir outros ataques, como sniffing (captura das informações) e session hijacking (sequestro de sessão).

A ferramenta arpspoof falsifica mensagems ARP reply com o intuido de direcionar o tráfego da máquina alvo para a máquina do atacante.

A ferramenta SSLStrip, escrita por Moxie Marlinspike, é bastante utilizada em um ataque man-in-the-middle para SSL Hijacking. O SSLStrip fecha uma sessão HTTP com a vítima e uma sessão HTTPS com a página web, capturando assim as informações que deveriam ser criptografadas.

até!

Vídeo: Protegendo o Spanning-Tree (STP)

Os ataques ao protocolo STP geralmente têm como objetivo assumir a identidade do switch root da rede, ocasionando assim cenários de indisponibilidade na rede. Programas como o Yersinia permitem gerar esse tipo de ataque. Há também cenários em que usuários adicionam switches não gerenciados e hubs (propositadamente ou não) com o intuito de fornecer mais pontos de rede em ambientes que deveriam ser controlados.

As funcionalidades comentadas no vídeo usam como referência Switches 3Com/HP para mitigar os ataques ao STP, mas servem como exemplo para todos principais vendors. As features são: Root Protection (Root Guard), BPDU Protection (BPDU guard) com STP edged-port (portfast) e loop protection (loop guard).

Até logo!

PPPoE – Cisco IOS

O PPP over Ethernet (RFC 2516) é uma especificação que  permite a conexão de hosts à Rede do Provedor para acesso a Internet, providenciando conexões ponto-a-ponto, utilizando a Pilha do protocolo PPP sobre o protocolo Ethernet.

O protocolo PPP trabalha com a tecnologia Ethernet (nesses cenários) para ligar a placa de rede dos usuários ao modem.  Desta forma é possível agregarmos a autenticação para a conexão e aquisição de um endereço IP fixo ou dinâmico à máquina do usuário. Continue reading

Fortigate: IPS

A funcionalidade Intrusion Prevention System (IPS) nos firewalls FortiGate tem como objetivo proteger a rede de ataques externos para serviços publicados, como por exemplo páginas web, servidores FTP, etc. Uma vez que o firewall possui a licença correta, o serviço FortiGuard atualiza a assinatura de IPS (com novas assinaturas) para mitigar novos exploits.  Os ataques externos podem ser classificados da seguinte maneira pelo IPS: Continue reading

OSPF – Tipos de LSA’s (Summary LSA – Tipo 4 – ASBR)

Todos os Roteadores de uma área OSPF possuem a visão completa dos links daquela área e a partir dessa visão calculam individualmente qual o melhor caminho para determinado destino.

Para a formação da tabela dos links, chamado de LSDB, o OSPF baseia-se nos LSA’s (Link State Advertisements) para transmitir informações para os Roteadores Vizinhos. Os principais tipos de LSA’s são:

Tipo 1 – Representa um Roteador
Tipo 2 – Representa o DR
Tipo 3 – Representam os links de outra Area OSPF declarados por um ABR
Tipo 4 – Representa um ASBR (Autonomous System Border Router)
Tipo 5 – Representa uma rota externa ao domínio OSPF
Tipo 7 – Usado em áreas NSSA.

OSPF – LSA Tipo 4 (Summary LSA – ASBR)

Os LSA’s do tipo 4 são gerados pelos Roteadores ABR (Area Border Router), informando o Router ID e o custo para o Roteador ASBR fora da área. Continue reading

Custo OSPF

O protocolo OSPF permite a todos roteadores em uma área ter a visão completa da topologia. O protocolo possibilita assim a decisão do caminho mais curto baseado no custo que é atribuído a cada interface, com o algoritmo Dijkstra. O custo de uma rota é a soma dos custos de todas as interfaces de saída para um destino. Por padrão, os roteadores calculam o custo OSPF baseado na fórmula Cost =Reference bandwidth value / Link bandwidth. Continue reading

Vídeo: QinQ

A feature QinQ (802.1q sobre 802.1q – 802.1ad ), conhecido também como Stacked VLAN ou VLAN sobre VLAN, suporta a utilização de duas TAGs 802.1Q no mesmo frame para trafegar uma VLAN dentro de outra VLAN – sem alterar a TAG original.

Para o cliente é como se o provedor de serviços tivesse estendido o cabo entre os seus Switches. Já para a operadora não importa se o cliente está mandando um frame com TAG ou sem TAG, pois ele adicionará mais uma TAG ao cabeçalho e removerá na outra ponta apenas a ultima TAG inserida. Continue reading